A Orquestra Jovem Minas é um dos pilares do Umoja. O início do funcionamento do projeto ocorre a partir da formação do grupo de músicos que dará origem à orquestra. Esses músicos serão ensaiados e receberão uma formação musical para aprimorarem sua técnica e serem capazes de monitorar outros músicos em formação, realizando o objetivo de difusão e capacitação cultural proposto pelo Projeto Umoja. 

Além da educação musical, a Orquestra Jovem Minas também orientará seus integrantes no desenvolvimento, nas áreas de elaboração e gestão de projetos, de comunicação e desenvolvimento de núcleos artísticos.

O estudo, o aperfeiçoamento, o estimulo profissional e a convivência com os mais experientes serão pontos cruciais desta união. A orquestra surge para acolher e estruturar talentos e desenvolver e permitir que a sua arte flua sem obstáculos.

METODOLOGIA

A formação da Orquestra Jovem Minas se dará a partir de chamamento público: as inscrições estão abertas entre o dia 8 de novembro e o dia 10 de dezembro. Músicos mineiros com idade entre 18 e 29 anos. Estão abertas vagas para instrumentistas com formação básica em: violino, viola, violoncelo, contrabaixo acústico, flauta, oboé, clarineta, fagote, trompa, trompete, trombone, tuba, tímpano e percussão.

Após o processo seletivo, o grupo selecionado para compor a orquestras participará de um período de aulas prática, coletiva e ensaios com apresentações ao fim dos processos.

Com a orquestra e seus músicos formados, o projeto entra na fase de disseminação do conhecimento aplicado e adquirido no processo de preparação. Um núcleo piloto será implantado na região do Alto Vera Cruz, em BH, integrando componentes da orquestra com músicos locais. Juntos, eles irão aprimorar suas habilidades e talentos, e serão estimulados a multiplicar novas formações.

REPERTÓRIO

A Orquestra Jovem Minas traz em seu repertório obras que viabilizam o objetivo do Projeto Umoja de construir uma unidade a partir do diálogo entre os gêneros musicais, estimulando a união de elementos da música clássica à contemporânea como rap, funk, música eletrônica, passando pelos clássicos da MPB como forró, baião, samba e bossa nova. Compositores clássicos da música nacional como Heitor Villa Lobos, Ernesto Nazareth, Pixinguinha, Luis Gonzaga, Moacir Santos, Clube da Esquina, Tropicália. Ou seja, uma ampla união de estilos, sonoridades, ideias e pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *